atualize-dados

Acompanhe: Facebook Twitter

Valores e Princípios do Cooperativismo

Democracia e solidariedade são dois dos conceitos-chave do sistema cooperativo que, para se tornarem realidade, necessitam da participação direta e ativa do cooperado.

Para que o cooperado possa cumprir com essa responsabilidade, é importante primeiro que ele conheça quais os valores e princípios que regem a Cooperativa.

É a partir desses valores e princípios que a entidade desenvolve e organiza todas suas atividades sobre as quais o cooperado é chamado a opinar e decidir.

Valores Cooperativos

Ajuda mútua
Democracia
Equidade
Igualdade
Honestidade
Responsabilidade
Responsabilidade social
Solidariedade
Transparência

Princípios Cooperativos

1º - Adesão voluntária e livre
As cooperativas são organizações nas quais a admissão de cooperados ocorre de forma voluntária. Ela está aberta a todas as pessoas aptas a utilizarem os seus serviços e a assumir as responsabilidades como membros, sem discriminações de ordem sexual, social, racial, política e religiosa. 

2º - Gestão democrática
As cooperativas são organizações democráticas, uma vez que são controladas por seus membros cooperados, que participam ativamente na formulação das suas políticas e na tomada de decisões.  Os homens e as mulheres eleitos como representantes dos demais membros para compor a Diretoria e o Conselho Fiscal, assim como outros tipos de conselhos, são responsáveis perante os cooperados. Nas cooperativas de primeiro grau, como a Coopincor, os membros têm igual direito de voto (um membro, um voto), independentemente da cota de contribuição.

3º - Participação econômica dos cooperados
Os membros contribuem equitativamente para o capital das suas cooperativas e controlam-no democraticamente. Normalmente parte desse capital é propriedade comum da cooperativa. É hábito os membros receberem, se houver uma remuneração limitada ao capital integralizado, como condição de sua adesão. Os membros destinam os excedentes do Capital Social da Cooperativa contabilizados no ano fiscal a uma ou mais das seguintes finalidades:

- Desenvolvimento das suas cooperativas, eventualmente através da criação de reservas, parte das quais, pelo menos será, indivisível;
- Benefícios aos membros, na proporção das suas transações com a cooperativa; e
- Apoio a outras atividades aprovadas pelos membros.

4º - Autonomia e independência
As cooperativas são organizações autônomas, de ajuda mútua, controladas pelos seus membros. Se essas entidades firmarem acordos com outras organizações, incluindo instituições públicas, ou recorrerem a capital externo, devem fazê-lo em condições que assegurem o controle democrático dos recursos pelos seus membros e que mantenham a autonomia e saúde financeira da cooperativa.

5º - Educação, formação e informação
As cooperativas promovem a educação e a formação dos seus membros, dos representantes eleitos e dos trabalhadores, de forma que estes possam contribuir, eficazmente, para o desenvolvimento das suas cooperativas. Informam o público em geral, particularmente os jovens e os líderes de opinião, sobre a natureza e as vantagens da cooperação.

6º - Intercooperação
As cooperativas servem de forma mais eficaz aos seus membros e dão mais força ao movimento cooperativo, ao trabalharem em conjunto, através das estruturas de comunicação, com outras cooperativas no âmbito local, regional, nacional e internacional.

7º - Interesse pela comunidade
As cooperativas trabalham para o desenvolvimento sustentado das suas comunidades, através de políticas aprovadas pelos membros.